Arquivo de agosto, 2016

hacking

Um mês depois…

de: noname@fdc.com

para: mcaos@fdc.com

cc: Associação Filhos do Caos

Querida Mamãe,

Depois da merda que fizemos no ESP passado, é com muito orgulho que anuncio a eliminação elementos nocivos do encontro e, mais ainda, tomamos posse dele!! Isso mesmo que você entendeu, o encontro agora é NOSSO!!

A estratégia foi simples e sutil. Resolvemos que era besteira ir para o confronto direto. Não queríamos chamar a atenção. Tiramos nossos diplomas das gavetas e usando de jornalismo, publicidade, psicologia e letras (com um pouco da mágika para potencializar tudo, é óbvio) minamos a força de Bela, Abelhinha e seus asseclas.

Mandamos um release para a Folha falando sobre os encontros, indicando quem organizava a coisa etal. O jornal apareceu lá, entrevistou todo mundo e a matéria foi capa do Folhateen. Imediatamente usamos e-mails fakes na lista Gaia-Paganus e nos mostramos indignados com o fato das meninas de Sampa saírem no jornal sem sequer citarem a organização nacional/mundial lá no Rio. A tal de Freya engoliu a isca, ficou mordida e foi tirar satisfação, afinal, as meninas deveriam ser subordinadas a ela, pelo menos em tese.

Como o clima não andava lá muito bom, com isso explodiu uma briga de egos sobre quem manda em quem, qual tipo de satisfação deveria ser dada, um lado acusando o outro de usar os encontros para se promover e tudo sendo cuidadosamente aumentado pelos nossos mails fakes. Ao mesmo tempo o Leósias e Dante começaram a participar de lista tentando apaziguar as coisas, num diálogo para reconciliar os lados.

(mais…)

van

Quando todos finalmente voltaram a si, estavam deitados em uma van. Em volta deles se encontravam outros membros do grupo que não haviam sido convocados para esta missão: Lesma, Safires e Lilith, com Rocco ao volante. Dante foi o primeiro a conseguir falar algo:

– Eita porra… O que aconteceu?

Rocco gritou lá da frente:

– Mamãe tentou falar com vocês via celular e não conseguiu. Tentou o elo psíquico e nada também. Então fomos convocados para o resgate!

Noname parecia estar acordando de uma ressaca:

– Poutz… E como vocês conseguiram?

– O único cara que poderia me encarar estava desmaiado no quarto. – comentou Lesma, sorrindo. – As minas não quiseram encarar minha boken e o Rocco ali quebrou o rádio com um chute para mostrar que não estávamos brincando. Sem o som a energia lá baixou legal.

– Isso não muda o fato de que caímos como amadores na porra da armadilha delas. – disse Leósias, voltando a si. – Não sei vocês, mas não estou a fim de deixar isso barato. Subestimamos as garotas, mas saquei o ponto fraco delas: tiram suas energias dos outros e para isso precisam de muita gente. A questão agora é fazer essa porra de encontro virar um caos, no sentido pejorativo mesmo.

Noname suspirou:

– E você já tem um plano em mente, certo?

Leósias sorriu sem graça:

– Não. Mas vou ter. E aí juro que fodo com aquela Bela, e não é no sentido bíblico.

O interior da van explodiu em gargalhadas

(a seguir: o final!)

torre

A confraternização era em um apartamento de uma delas, próximo ao parque. Dava para ir a pé até lá. No meio do caminho, Dante ficou um pouco mais atrás com o resto do grupo e comentou:

– Galera, a casa delas é exatamente em cima da Linha de Ley que passa pelo Parque Trianon e pelo MASP, queria acreditar que é coincidência, mas…

– “Coincidências não existem”. – disseram todos, contendo a risada.

A turma toda chegou ao prédio. Entraram, subiram pelo elevador e chegaram ao apartamento. A decoração imediatamente chamou a atenção. Havia um pentagrama vermelho pintado no teto, estátuas de bruxas, pôsteres de lobos, uns cinco gatos circulando e uma enorme espada de duas mãos pendurada atrás da porta. Leósias aproximou-se de Noname:

– Caralho, cê viu aquela espada? Acho que não devíamos ter dispensado os Ice Knigths. –começou a olhar ao redor. – E, outra coisa, essa casa era pra ser um poço de energia negativa, mas os gatos e o pentagrama estão amenizando a coisa toda. Mesmo assim, eu consigo sentir. Vamos erguer um Círculo Branco em torno de nós.

– Círculo Branco? – Noname contorceu o rosto com desdém. – Porra, isso é técnica dos Rosa-Cruzes Áurea!

– Eu sei. Mas é fácil e rápido de fazer, além de nos proteger dos ataques psíquicos e mentais mais óbvios. Vamos falar com os outros.

Visivelmente contrariado contrariado, Noname saiu para passar o recado. Então chegou perto de Leósias um rapaz alto, forte, careca, de bigode, cavanhaque e óculos escuros. Ele estava no encontro com a donas do apartamento Abriu um sorriso nem um pouco sincero e perguntou:

– Lembro que você falou lá no ESP que lia tarô. Por acaso seu baralho tá aí?

Leósias resolveu entrar na conversa enquanto tentava entender a situação:

– Tá sim.

– Tem como você ler pra mim?

Decidiu ver aonde aquilo ia dar:

– Claro, só vamos para um lugar mais reservado.

(mais…)